Bebês de até 1 ano deverão ter prioridade na vacina da Pfizer contra a Covid-19

Escrito por em 19/09/2022

A câmara técnica do PNI (Plano Nacional de Imunizações) do Ministério da Saúde deve recomendar na próxima semana a imunização de crianças entre seis meses e quatro anos de idade contra a Covid-19 com a vacina da Pfizer, aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na última sexta (16). As crianças menores de um ano deverão ter prioridade na vacinação, segundo o pediatra Renato Kfouri, membro do comitê técnico do PNI e presidente do departamento de imunizações da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

Esse grupo infantil é o mais vulnerável para a Covid, respondendo por mais da metade das hospitalizações e óbitos pela doença entre as crianças, segundo dados do Ministério da Saúde. São cerca de 12 milhões de crianças elegíveis para a vacina da Pfizer, e a recomendação são três doses de 0,2 mL (equivalente a 3 microgramas). Ou seja, serão necessárias 36 milhões de doses.

As duas doses iniciais devem ser administradas com três semanas de intervalo, seguidas por uma terceira dose administrada pelo menos oito semanas após a segunda, segundo a Anvisa. Para diferenciá-la das demais, a vacina voltada à nova faixa etária será identificada pelo frasco com tampa de cor vinho. Para crianças de cinco a 11 anos, a tampa é laranja e, para o público acima de 12 anos, roxa. De acordo com Kfouri, como já existe um acordo anterior de compra entre o ministério e a Pfizer, que prevê a troca de produtos, ou seja, vacinas de adultos já adquiridas poderão ser trocadas pelas doses pediátricas, é possível que isso agilize a aquisição dos imunizantes para essa nova faixa etária.

Mas entre os especialistas há dúvidas se o governo de Jair Bolsonaro (PL) vai bancar a vacinação de bebês contra a Covid, ainda mais às vésperas das eleições presidenciais.
Em dezembro de 2021, quando a Anvisa deu sinal verde para o uso da vacina da Pfizer em crianças a partir de cinco anos, Bolsonaro criticou a decisão, e atacou a agência, o que desencadeou uma onda de ameaças a seus técnicos e diretores. À época, o presidente também minimizou o número de mortes infantis pela doença.

Em 2020 e 2021, foram 1.439 óbitos de crianças até cinco anos, sendo que 48% eram de bebês entre 29 dias e um ano incompleto (pós-neonatal), uma média de 1,9 por dia. Dados do consórcio de veículos de imprensa desta sexta (16) mostram que só 35,86% das crianças entre três e 11 anos estão totalmente imunizadas contra a Covid e cerca de 53% estão parcialmente (foram vacinados com a primeira dose).

“Esperamos que isso [a aprovação para bebês a partir de seis meses] anime os pais das crianças maiores. Em todas as faixas etárias, o número de casos de Srag [síndrome respiratória aguda grave] por Covid continua caindo, menos em crianças de zero a 11 anos”, diz a pediatra Isabella Ballalai, vice-presidente da Sbim (Sociedade Brasileira de Imunizações).

Ela afirma que a ação dos grupos antivacina na divulgação de notícias falsas destruiu a percepção de risco dos pais em relação à Covid. “Se eu digo para os pais que a vacina é perigosa, que pode dar miocardite, o que não é verdade, eles vão querer dá-las aos filhos? Não, né?”

A falta de campanhas por parte do Ministério da Saúde no sentido de esclarecer os pais e alertá-los para os riscos da falta de vacinação também é um outro fator que colabora para a baixa cobertura, segundo a pediatra. “A Covid já ultrapassou o vírus sincicial respiratório, que até então era que mais causava Srag em crianças até cinco anos.”


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]